A arte da governança de dados

Por Marcio Guerra - Diretor de Marketing e Inovações da MD2

A governança de dados consiste em políticas, processos e uma estrutura organizacional para apoiar o gerenciamento de dados corporativos e ajudar no entendimento da existência e possibilidade de uso dos ativos disponíveis. Gostaríamos de definir a governança de dados como uma arte.

Em um mundo acelerado, onde as informações são geradas a cada milissegundo, em diferentes formatos (por pessoas e máquinas) e em volume extraordinário, será necessário estabelecer ações contrárias ou amortecedoras desse frenesi, um comportamento pautado em reconhecimento dos riscos, fragilidades e limitações e, assim, estabelecer uma condição consistente e equilibrada para oferecer informações contextualizadas para os processos organizacionais e pessoas que as utilizam para o melhor aproveito, além de cuidar de aspectos cruciais do ciclo de nascimento e remoção dos dados inválidos, vencidos ou não relevantes e regulamentares como a Lei Geral de Proteção de Dados.

A arte de governar os dados pode ser estabelecida pela utilização harmoniosa de estratégias, táticas, ações operacionais e ferramentas contemporâneas disponíveis para trazer autoridade e controle no gerenciamento dos ativos corporativos e, dessa forma, assegurar um comportamento apropriado dos processos e ações humanas para o registro da criação, coleta, interpretação, armazenamento, organização, proteção, consumo e descarte dos dados.

A consistência e utilidade do programa se dará se a alta direção da empresa reconhecer sua relevância e garantir sua prioridade e os recursos necessários. Os líderes do programa devem entender e registrar as limitações, riscos e fragilidades existentes e operar as melhorias de forma cíclica. Os ambientes organizacionais são voláteis, como o mundo dos negócios em que estão inseridas, assim, os desafios são constantes e quando a empresa define e implanta um programa forma de melhoria contínua, enfrentar tais mudanças será certamente um processo mais controlado ou menos impactante para a organização. Os negócios dependem de dados organizados, interpretáveis, disponíveis, confiáveis e protegidos e isso não é um status quo. Isso se dará da melhor forma possível através da operação do programa de melhoria continuada.